Cineasta lança livro sobre a história do som no cinema

A obra de Márcio Câmara é resultado de uma pesquisa inédita que aborda a criatividade e as técnicas de gravação utilizadas em filmes que fizeram história.

Cineasta lança livro sobre a história do som no cinema
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

O livro Som Direto no Cinema Brasileiro: fragmentos de uma história, segunda edição, de Márcio Câmara, será lançado dia 30 de julho, terça-feira, às 19 horas, no Sesc Centro - Rua Tiradentes, 998. O evento inclui um masterclass, com o realizador audiovisual e técnico de som direto, Márcio Câmara, que também é professor e pesquisador do tema. 

Som Direto no Cinema Brasileiro é baseado na pesquisa de dissertação de mestrado do autor, apresentada na Universidade Federal Fluminense. A obra resgata mais de 30 anos de experiência do profissional no cinema, que defende a importância técnica e criativa do som direto para a densidade narrativa de um filme.

 

Masterclass

Márcio Câmara abordará a trajetória do som direto no cinema brasileiro, desde dos anos 1960. Exibirá entrevistas com os participantes dessa história, além de trechos de filmes que assinalam a participação criativa desses profissionais. O evento é aberto ao público e será realizado às 19 horas no auditório do Sesc Centro.

 

A pesquisa

“Utilizei conversas com diferentes técnicos de som direto, de diferentes épocas, com destaque no cinema brasileiro, para que me indicassem o que fizeram de mais criativo nos filmes em que trabalharam”, explica. “Consegui construir uma pequena história, mesmo que fragmentada, do desenvolvimento e da prática do som direto no cinema brasileiro”, completa.

O doutor em Comunicação pela UFF e autor de Som no Cinema Brasileiro, Fernando Morais da Costa, assina o prefácio, Referência no campo de estudos de som no Brasil, o professor afirma que o texto de Márcio Câmara é o resultado das inquietações que movem o profissional, no que diz respeito ao papel criativo do técnico de som direto.

 

Perfil do autor

Márcio Câmara (1963)

Realizador Audiovisual, Técnico de Som Direto e Professor, graduado em Cinema pela San Francisco State University, é Mestre em Comunicação, na área de Estudos de Cinema, pela Universidade Federal Fluminense.

Filmografia

Produziu e dirigiu Rua da Escadinha 162 (2003), ganhador de 30 prêmios entre eles o de Melhor Documentário Curta Metragem Brasileiro pela Academia Brasileira de Cinema (2004) e os também premiados Identidades em Trânsito (2007), Torpedo (2009), Saudade de Andrea (2010), Doido pelo Rio (2011), Joaquim Bralhador (2014), Quitéria (2016) e Do Outro Lado do Atlântico (2017) com carreiras em diversos festivais e mostras nacionais e internacionais.

Indicações

Foi indicado 5 vezes ao prêmio de Melhor Som Direto pela Associação Brasileira de Cinematografia e quatro vezes ao da Academia Brasileira de Cinema pelo som direto de filmes como A Ostra e o Vento (1996), Lavoura Arcaica (1999), Deus é Brasileiro (2001), Peões (2002), Amélia (2002), Cinema, Aspirinas e Urubus (2003), Zuzu Angel (2004), Os Desafinados (2005), Mutum (2007), Salve Geral (2008), Elvis e Madona (2009), Eu Receberia as Piores Notícias dos Seus Lindos Lábios (2010), La Playa D.C. (2011), Jogos da Paixão (2012), Dirty Gold War (2013), Fera na Selva (2015), Para ter onde ir (2016), entre vários outros.

 

Serviço

Masterclass e lançamento de livro
Som Direto no Cinema Brasileiro: fragmentos de uma história
Dia 30/7 (terça-feira), às 19 horas
Sesc Centro - Rua Tiradentes 998
Contato para entrevistas:
Marcel Ferreira: (96) 98407-9956

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Veja Também:

Artigos Relacionados